PRODUTOS > SISTEMAS DE CORRENTE IMPRESSA

PARA NAVIOS E PLATAFORMAS OFFSHORE


O Sistema de Proteção Catódica da SACOR tem a função de proteger contra corrosão as partes submersas de cascos de embarcações ou de plataformas offshore.

Funcionamento do Sistema
O sistema funciona baseado no nível de tensão gerado pelo eletrodo de referência. Este sinal é amplificado e analisado pelo circuito gerando um comando para ponte retificadora de envio de mais ou menos tensão para os anodos. Os alarmes normalmente são de sobretensão, subtensão e sobrecorrente, e atuam automaticamente no corte de funcionamento
do equipamento e acionam sinalização local e/ou remota.

O equipamento pode ter a opção especial de controle individualizado para cada anodo, permitindo uma distribuição melhor de corrente, assim,
pode-se ajustar valores diferentes de tensão para cada anodo.

O equipamento possui medidores digitais de tensão e corrente, instalados na parte frontal para leitura individual de cada anodo.

 

Anodos mais utilizados
Os anodos utilizados em sistema por corrente impressa para navios e plataformas divergem basicamente dos anodos galvânicos por terem um desgaste extremamente baixo e apresentarem, consequentemente, uma vida útil mais longa.

 

  • Características químicas

Os anodos de Titânio Revestidos com Óxidos Nobres são muito utilizados, visto que suportam densidade de correntes mais elevadas que os anodos de Chumbo/Antimônio/Prata. E, além disso, o desgaste destes anodos é considerado desprezível.



ANODOS INERTES RECOMENDADOS PARA ÁGUA DO MAR


Anodo
Densidade de Corrente Recomendada (A/m2)
Desgaste Médio (Kg/A.Ano)
Chumbo/Antimônio/Prata (Pb-Sb-Ag)
50 a 1000
0,10
Titânio Revestido com Óxidos Nobres
Até 600
Desprezível (6 x 10-6)



Os anodos inertes, montados no casco da embarcação completamente isolados do aço, são fabricados com chapas de Titânio Revestido com Óxidos Nobres e encapsulados em resina epoxi. Esses anodos possuem a forma alongada ou arredondada. Em uma das faces do Titânio é aplicada uma camada de Óxidos Nobres. Esse revestimento tem uma vida útil em torno de dez anos, caso não haja negligência na montagem e na manutenção ou a peça sofra algum acidente.

Estando o sistema energizado, a superfície do anodo inerte mantém-se sem incrustações de moluscos (ostras e mexilhões), os quais produzem ácidos que atacam a camada de revestimento.

Os anodos de Titânio Revestido com Óxidos Nobres não necessitam de manutenção periódica, porém recomenda-se que de dois em dois anos sejam observadas as condições das placas e o desgaste na camada de óxido ou sinais de danos. É aconselhável, também, examinar o encapsulamento em resina epoxi, os parafusos de fixação, os cabos elétricos
e as proteções dielétricas ao redor dos anodos.